21 de dezembro de 2013

Cada Ser Humano é Um Universo

De uma bela conversa,
fruto de um belo amor.

Cada um de nós é um universo
recheado de versos
alguns dispersos, outros inversos,
mas ainda assim, sempre
versos.

e teus versos, versam sobre o quê?

há grandes versos significativos
ou apenas pequenos versículos?
versificam sensações em grandes odes
ou versam apenas sobre chulas conquistas?
teus versos são como pôr-do-sol
ou verseam apenas para convencer?
versejam para alegrar
ou são versos para amargar?

e teus versos, versam sobre o quê?

Cada um de nós é um universo
recheado de versos.

13 de dezembro de 2013

Fora da ordem

Esse é o alvorecer de tudo que se quer ver
Sem fazer sombra na melhor hora do sol
Eternidade duradoura com sossego então
Melhor que fique assim

Nação Zumbi

jogo três pedras para cima
e deixo que apontem meu destino
borboletas revoam
e se mexem no meu intestino
dos descontentes
eu canto o hino
minha carta de demissão
eu assino
e ando assim, sem rumo
em profundo desatino

mas

você chegou pra acabar
você chegou pra começar
você chegou pra festar
você chegou pra cantar
você chegou pra tirar

tudo, tudo do eixo:
minha rima e meu queixo
foram para o chão
seguro com força tua mão
não, não quero que vá

então eu danço
e os dados eu lanço,
seja o que for:
pro que der, eu estou.

11 de dezembro de 2013

Passeio

Um passo à frente, e você não está mais no mesmo lugar.
Chico Science

I

quero dormir até virar pedra
repensar sobre o fim
recolocar tudo no seu lugar
mudando todo o jardim

II

vou correr e bater na tua porta
escrever errado em linhas tortas
jogar os dados, apostar na sorte
pois minha única certeza é a morte

vou rasgar os panos que me cobrem
cobrar aquela velha dívida esquecida
esquecer que envelheço a cada dia
adiar a trágica trajetória traçada
traçar todos os pratos que você não fez
enfezar os traiçoeiros que rondam

e assim dar continuidade
ao que não começou
quem precisa de ordem?

III

Passeio no mundo livre
buscando novos verbos e nações
tudo que complete e satisfaça

pétalas multi-coloridas
em narcisos nas margens dos rios
olhando para seus reflexos
e vendo apenas sombra:

ouça os ecos daqueles que amam.

Passeio no mundo livre
correndo pelas pontes e pelos rios
tudo que inspire e seja vivo,
que viva na pele, no pelo,
tudo que complete e satisfaça

a carcaça.

6 de dezembro de 2013

Tua música na minha memória

passei acordado a noite inteira
ouvindo tua música na memória
ela, tão notória, por toda a distorção
depredatória, cantava
a noite inteira
tua música.

e as janelas se abriam
e gritavam
"tá fazendo sol,
tá fazendo sol!"
e com a força do pensamento
tua música na minha memória
fez-se história:

oscilatória,
ilusória,
contraditória,
aleatória.

tua música na minha memória
retumbava feito alfaias
no maracatu que passeava
nas flores da essência.

e as portas se abriam
e convidavam
"pode entrar,
entre, venha!"
e criou-se esperança
com tua música na minha memória
de cabeça aberta, espelho na alma, dizia:

amansa meus pelos,
alcança meus ecos,
lança meus dados,
descansa meu peito.

enquanto meu corpo
deitava-se naquele barco a vela
ouvindo tua música na minha memória
cercavam-me dúzias de flores amarelas.

naquele dia o sol brilhava,
rebelavam-se as ondas, mas ainda assim,
levei minha alma pra passear
com tua música na minha memória
e dizia a ela:

pinte tua tela,
seja mais singela,
afivele sua sela,
seja mais bela.

e naquele barco a vela
velei à noite
com tua música na minha memória.

3 de dezembro de 2013

Folhas prateadas voam incansáveis

Não vejo o sol dar trégua
Água aqui é lenda
Secura não é pouca, e o céu desaba em conta-gotas
Acordou com o sol e subiu pra ver a chuva
Já vejo o céu escurecer
Agora o temporal inteiro se aproxima...
Nação Zumbi

me apoie antes que eu me perca
me alcance antes que eu me solte
e não volte.

segura e aperta forte,
sem medida certa
só demonstre estar ali
ainda que eu já não esteja aqui.

há um exército aqui dentro
marchando incansavelmente
procurando uma saída
buscando passagem, uma vida.

todos os dias
um soldado é abatido
e uma folha prateada
é pisoteada

nem por isso
ele para de marchar
nem por isso
ela para de voar.